Croatá: o esforço de um pequeno município do sertão do Ceará para educar

“Eu não tinha em quem me inspirar, só que eu tinha o sonho de estudar”, diz Pauliana Lima, caloura de biologia na UFRJ

Por Maria Júlia Miranda em 15/06/2021

     Moradora da zona rural de Croatá, município do estado do Ceará, Pauliana Oliveira Lima, de 19 anos, terminou os estudos em 2020 e conseguiu uma vaga em biologia na Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ). Filha de pais agricultores que nunca foram à escola e irmã caçula de cinco irmãos que não concluíram o ensino médio, Pauliana desde criança sempre teve o sonho de estudar, “de fazer diferente.”

     Aluna da escola de ensino médio Flávio Rodrigues, a única da rede estadual de Croatá, Pauliana foi a única entre as amigas que, em meio a pandemia, não desistiu de fazer o vestibular. Ela conta que cursar o último ano da escola de modo remoto trouxe muitas incertezas em relação às provas: “De início foi um pesadelo, eu imaginei que não ia dar certo, que eu não ia conseguir.”

     

     Apaixonada pela vida desde pequena, descobriu a microbiologia e imunologia. No ano passado, mesmo com todos os obstáculos, decidiu dar mais um passo. Pauliana prestou o Enem, mirando a universidade carioca e acertou. A previsão é iniciar em julho. Ansiosa pela nova fase, ela diz “eu quero estudar muito, fazer o que eu puder para ajudar a humanidade”.

Pauliana Lima e Mirian Araújo se conhecem pessoalmente na realização das fotos para reportagem. 
Por conta da pandemia, a aluna e a professora só se conheciam pela tela do computador.

(Foto: acervo pessoal)

Croatá 

 

     Localizado no lado sul da Serra da Ibiapaba, a 352 Km de Fortaleza, Croatá faz divisa com o estado do Piauí. A princípio, a região era habitada pelas tribos indígenas Tupis e Tupias. A maior concentração populacional encontra-se na zona rural e a economia local é baseada na agricultura e no turismo.

 

     Como a maioria dos municípios do sertão do Ceará, Croatá começou como uma fazenda. O registro dos primeiros habitantes é de 1889, quando o Tomaz Ribeiro Leite, a esposa e os filhos se mudaram do Piauí para trabalhar no local, batizado de “Fazenda Croatá” por seu proprietário, o coronel Clínio de Oliveira. 

 

     Em 1897, o coronel doou o terreno para a construção da capela do povoado, cuja padroeira seria Nossa Senhora da Conceição. Com isso, outras famílias foram chegando e, ao redor da primitiva capela, desenvolveu-se o centro urbano. A elevação do povoado à categoria de município ocorreu em de 14 de dezembro de 1965.

O plantio e a colheita

     Pauliana conta que a família “foi o que me fez chegar até aqui”. Ela lembra que no início não tinha tanto incentivo pela falta de oportunidade deles, mas quando a mãe passou a ser chamada na escola pelo destaque da filha, se fez mais presente em sua vida acadêmica. “Nunca me deixaram fazer qualquer outra coisa a não ser estudar. Minha mãe sempre fala que a única coisa que ela pode deixar para mim é a educação”, diz.

   

     Além deles, ressalta a importância do Círculos de Leitura em sua trajetória. O programa foi implementado na escola Flávio Rodrigues no ano passado e o diretor a convidou para dar início ao projeto junto com a professora Mirian. Ela conta que por muitas vezes estava desmotivada, achava que não ia dar conta de todas as tarefas, mas chegava nos encontros e “tudo sumia, eu saía feliz, com vontade de continuar”. De fato, continuou, citou na redação algumas obras lidas nos Círculos e conseguiu. 

     

     Formada em pedagogia e letras, Mirian Araújo de Oliveira, de 48 anos, é professora de apoio na escola, onde também coordena o Círculos de Leitura. Assim como Pauliana, ela foi convidada pelo núcleo gestor para assumir a frente do projeto por sua identificação e diálogo estreito com os alunos. A supervisora conta que se identifica muito com o trabalho porque “traz composições de muitos gêneros literários que somam com o trabalho que eu faço”. Pauliana é uma das 21 pessoas da escola de Croatá, com população estimada em 18.133 habitantes, que passaram em universidades no ano de 2020.