• Redação

A crise energética em ano eleitoral



Vamos debater as causas e consequências dessas dificuldades com três membros do Instituto Braudel com rica experiência em enfrentar esses desafios: José Goldemberg, ex-presidente da Companhia Energética de São Paulo (CESP) e ex-diretor do Instituto de Física da USP; Eduardo Bernini, economista e ex-presidente da Eletropaulo; e Ricardo Toledo, da Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da USP e Secretário Adjunto de Energia do Estado de São Paulo. Segue link ao Braudel Papers, “Apagão na política energética: As dificuldades de tomar decisões,” sobre a crise na energia elétrica que impactou o ano eleitoral de 2002.


Às vésperas das eleições, com falta de chuvas, o Brasil se vê de novo diante de uma crise de energia elétrica, prevista há anos. Enfrentamos uma crise energética-política que poderia impactar as eleições de 2018, devido à falta de investimentos na produção e distribuição, o aumento do consumo e a escassez de chuvas em um país que depende de hidrelétricas.

O SITE
SIGA NOSSAS REDES
SE INSCREVA NA NOSSA NEWSLETTER