• Redação

Roteiro populista

No seu âmago está um impulso de retorno às origens, nostalgia de um passado ‘bom’

Lourival Sant'Anna, O Estado de S.Paulo




Como já escrevi nesta coluna, não se deve extrapolar experiências de um país para outro, e a noção de “tendência” é simplista demais num mundo tão complexo e diverso. Mas isso não nos impede de reconhecer, na tragicomédia grega, o roteiro que o populismo costuma seguir, em qualquer tempo e lugar, entre a fantasia e o choque com a realidade. Tsipras elegeu-se no auge da crise da dívida, prometendo atropelar as exigências dos credores internacionais de corte nos gastos e aumento nos tributos. Depois de eleito, ainda submeteu os gregos a um ridículo plebiscito, no qual venceu sua proposta de recusar o plano de resgate dos credores.


Semanas depois, o governo em Atenas se resignou à falta de alternativa e passou a aplicar a receita. As contas começaram a se acertar, e a economia, a crescer, após uma década de recessão. Os eleitores gregos chegaram então a uma conclusão óbvia: se é para seguir as regras da economia, então pelo menos que seja com alguém que não briga com elas.


Leia o artigo completo no portal de notícias do Estadão



O SITE
SIGA NOSSAS REDES
SE INSCREVA NA NOSSA NEWSLETTER